segunda-feira, abril 05, 2010

A medalha de ouro

Ricardo e alguns familiares, na casa de Tia Dalva


Goiânia, 05 de abril de 2010.



Uma maratona olímpica tem 42.195 metros. Pouco mais de 42 quilômetros.

Estamos encerrando a nossa maratona pela vida de Ricardo Resplandes. Inúmeras pessoas participaram dessa corrida, apoiando o único competidor. Ele precisou de água para não desidratar e quando passava pelas diversas cidades, em seu percurso, ele recebeu muitos copos de água fria. Várias pessoas se esforçaram por saciá-lo.

E quem der a beber, ainda que seja um copo de água fria, a um destes pequeninos, por ser este meu discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão (MT 1042).

Ele precisou de incentivos quando estava desanimado, achando que não ia conseguir. E recebeu mensagens de apoio de todos os lados: no Orkut, no MSN, por e-mail, por telefone e pessoalmente.

O amor e a fraternidade foram maiores do que as denominações religiosas. Irmãos são aqueles que se preocupam conosco em nossas agonias, em nossas dificuldades. São aqueles que nos ajudam a carregar a nossa pesada cruz.

Ao saírem, encontraram um cireneu, chamado Simão, a quem obrigaram a carregar-lhe a cruz (Mt 27:32). Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo (Gl 6:2).

Encontramos muitos cireneus em nosso caminho, os quais até agora estão nos ajudando com o nosso fardo. As pessoas queriam ajudar-nos. Não queriam saber se éramos desta ou daquela igreja ou religião. Elas queriam ser o nosso próximo, não se incomodando se nós éramos judeus ou samaritanos. Simplesmente queriam ajudar-nos. Elas foram tocadas por Deus, foram instrumentos divinos para nos socorrer em nossa humilhação e fraqueza.

Pois quem não é contra nós é por nós (Mc 9:40).

Quanta graça! Nós nunca merecemos o favor divino, nem a sua motivação e inspiração a tantos amigos, verdadeiros irmãos, que fizeram o que se sentiram tocados a fazer. Não nos faltaram mãos estendidas e cheias de bondade, de fraternidade e genuíno amor. Diante de tanto socorro, nós nos sentimos até constrangidos por estarmos recebendo tanto...

Logo depois que saiu do CTI, Ricardo foi levado para um minúsculo apartamento. Eu havia contratado um pacote com o hospital, mas quando me deram o valor do pacote, eu fiquei tão impressionado, porque não imaginava que fosse custar tanto, que não perguntei o que continha o pacote que eles estavam me vendendo. Então, depois da cirurgia, o médico nos disse que Ricardo ficaria um dia no CTI e depois iria para a enfermaria, onde poderíamos ter um acompanhante. Mas, afinal ele fora para um apartamento simples, mas um apartamento. Ali mal cabia o Ricardo e alguns móveis. Mas para nós estava muito bem. No entanto, para Deus não estava. Menos de uma hora depois que estávamos lá, satisfeitos por estarmos com o nosso filho, o Dr. Walter entrou no quarto, viu o Ricardo e disse que nós seríamos levados para um quarto melhor. E assim fomos para um grande apartamento, onde também pudemos ficar Lourdes e eu e onde pudemos receber muitas visitas durante o dia todo. De forma que Ricardo não ficou só e nem nós, tampouco. Nossos amigos e familiares de Goiânia nos assistiram e nos manteram em nossas necessidades. Louvado seja Deus por incutir-lhes esse espírito de amor, nos dando comida, doces, refrescos, jornais, telefones celulares, veículos, dinheiro... Nós recebemos mais do que precisávamos aqui. Obrigado ao Senhor pelos seus filhos maravilhosos.

Ele, porém, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: Quem é o meu próximo? Jesus prosseguiu, dizendo: Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e veio a cair em mãos de salteadores, os quais, depois de tudo lhe roubarem e lhe causarem muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o semimorto. Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o, passou de largo. Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, vendo-o, também passou de largo. Certo samaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o, compadeceu-se dele. E, chegando-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho; e, colocando-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e tratou dele. No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo: Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando voltar. Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores? Respondeu-lhe o intérprete da Lei: O que usou de misericórdia para com ele. Então, lhe disse: Vai e procede tu de igual modo. (Lc 10:29-37).

Aqui em Goiânia e em alhures, tanto no Brasil, como na Argentina, na Bolívia e, possivelmente em outros países, nós fomos assistidos por cireneus e bons samaritanos. Todos quiseram participar desta maratona pela vida de Ricardo.

E agora estamos chegando ao fim. Já ultrapassamos a reta final. O competidor está cansado, ainda respira ofegante, mas dentro de instantes ele subirá ao podium e receberá a medalha de ouro por vencer essa corrida que começou no dia 24 de fevereiro de 2010, quando os sintomas se manifestaram: dor de cabeça contínua, uma leve paralisia no lado esquerdo e redução da vista direita. Hoje estamos vivendo o quadragésimo primeiro dia. Depois de amanhã, no 43º dia, Ricardo receberá sua medalha, seu passaporte para retornar à nossa casa em Poxoréu, MT, quando a vida continuará a fluir em seu ritmo normal, embora nós, nunca mais conseguiremos ser as mesmas pessoas de antes, tantas foram as bênçãos recebidas.

Durante todo esse percurso, procuramos extravasar a nossa angústia, escrevendo e publicando nos blogs ou mandando e-mails ou mesmo recados no Orkut. Sentíamos conforto quando desabafávamos e também quando recebíamos em retorno, mensagens de ânimo e de apoio.

A Palavra de Deus, mais do que nunca se cumpriu em nossa vida durante esses quarenta dias.

O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam (Salmos 23:1-3).

Ao término dessa jornada registramos o nosso preito de gratidão a todos os que estiveram conosco em todas as fases pelas quais passamos. Que o Senhor nosso Deus esteja com todos, dando saúde, paz, harmonia e uma vida repleta de felicidade.

Muito obrigado.

Prof. Izaias Resplandes de Sousa
E-mail: respland@gmail.com.br
Home Page: www.respland.blogspot.com

6 comentários:

Mariza disse...

Rá! Meu gatão ficou lindo de cabelo raspaaaado! Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo por sua provisão!

Eu amo vocês.

Beijo da Marizóca.

Prof. Izaias Resplandes disse...

Viu, filhona... Depois de muita discussão, a careca predominou. Louvado seja o nosso Senhor. Rendamos nós Mil vezes ao nosso Salvador... Louvores, gratidão, agradecimento...

Nós também te amamos e estamos com saudade. Até breve.

Beijos do papai.

Karita disse...

Grata a Deus por nas nossas orações so ter o que agradeçer! Pois o Senhor foi fiel em nos atender e restaurar a saúde do meu primo Ricardo.
Saudedes de todos vcs...

Prof. Izaias Resplandes disse...

Pois é, Kárita. Nós só temos a agradecer. Obrigado.

genio_eu amo as exatas disse...

Sou grato a Deus pela promessa e vitória prometida sobre sua vida Prof. Isaías, e a vida de meu ex - aluno que tanto admirava,,,,Deus capacita os simples pra confundir a medicina ,,e além disso mostra ao homem que somente ele tem a chave pra abrir e a chave prá fechar a cova da sepultura,,,,,sois vitoriossoososos,, parabenss????Sucesso Ricardo com carinh

............................prof. geniel melhoras

Prof. Izaias Resplandes disse...

Prof. Geniel. Assim é o nosso Senhor: Ele é o alfa e o êmega, o princípio e o fim. Ele abre e ninguem fecha; ele fecha e ninguém abre. Que está nas mãos de Jesus, está nas mãos de Deus. Louvado seja! Forte abraço. Obrigado pela torcida e pelas orações. Você também é dono dessa vitória. Tudo de bom.