quinta-feira, outubro 11, 2012

A janela



A janela
 - Izaias Resplandes -
Jane Sanchez Lopes, a prefeita eleita de Poxoréu para o quatriênio 2013-2016. Foto: Rubinha Rocha

Há dois tipos de aberturas para se entrar em uma casa: a porta e a janela.
A porta é a entrada correta. Por ela entram as pessoas de bem, as pessoas queridas e respeitadas e, metaforicamente, também é por ela que as pessoas mais preparadas conquistam vagas nas melhores universidades e nos melhores empregos privados e públicos.
A janela não foi inventada para servir de entrada nas casas, mas apenas para ventilá-las e iluminá-las. Todavia, é por elas que os ladrões costumam entrar nas casas; é por elas que fogem os filhos rebeldes que não obedecem aos pais e querem sair de casa quando não estão autorizados; e, pela figura de linguagem, é pela janela que os menos capazes, os menos preparados e os protegidos e apadrinhados ascendem às universidades (através de quotas), aos empregos (através de contratos esdrúxulos e da multiplicação sem limite de cargos comissionados de direção e assessoramento).
Recentemente, li um pequeno artigo do Dr. Garibaldi Júnior, publicado no Blog Poxoréu, editado pelo meu padrinho Dr. João Batista de Araújo Barbosa, o Batistão, intitulado “Santo de casa não faz milagres”. Destaco que o Dr. Garibaldi e Engenheiro Agrônomo formado pela UFMT. Acredito, pela sua inteligência, que entrou na Faculdade por mérito, sem precisar do recurso das quotas. Também prestou o concurso público do Estado de Mato Grosso para “Fiscal de Defesa Agropecuário Florestal – Engenheiro Agrônomo”, para trabalhar no Município de Cuiabá, tendo sido classificado em 11º lugar. É uma pessoa muito inteligente.
Em seu artigo, cumprimenta o Vereador Wellington Barracão, reeleito em Primavera do Leste nestas eleições de 2012. Mas esse é apenas o pano de fundo. O interesse principal da matéria é a defesa de privilégios para “a prata da casa”, os nativos de um lugar, os filhos de uma cidade, em contraposição com “os de fora”. Segundo o articulista, “os de fora” têm sido considerados mais competentes pela própria “prata da casa”, principalmente em época de eleições, quando aqueles se elegem em detrimento dos patrícios. E finaliza dizendo isso não pode continuar dessa forma... Que, “sem dispensar as contribuições dos “de fora” (não sejamos incoerentes),  que os “de casa” tenham prioridade, oportunidade, respeito e valor”.
Embora tenha grande respeito pelo Dr. Garibaldi, eu não concordo com essa tese. Para mim essa é a defesa da entrada pela janela. Todos nós temos oportunidade de estudar e de nos preparar adequadamente para ocupar os espaços oportunizados. Não sou favorável à Teoria das Quotas de Privilégios, ainda que se diga que essa é uma “discriminação positiva”. Não aceito a idéia de que os alunos de escolas públicas tenham que ter privilégios para ingressar nas universidades públicas. Tampouco aceito a idéia de que “os de casa” devam ter prioridade. Respeito as leis, mas também com respeito, promovo e participo do debate para modificá-las.
Nós queremos o império da democracia, a qual se baseia no sistema representativo. Já que o povo todo não tem condições de governar e legislar diretamente, então elege seus melhores representantes para representá-lo nessas esferas de desempenho do poder democrático – o exercício do poder pelo povo e em prol do povo, como dizia A. Lincoln.
É preciso mudar essa forma “bairrista” de pensar. O mundo hoje não passa de uma aldeia global. Não somos mais meros cidadãos de Poxoréu iu de Primavera do Leste,ou de qualquer outra cidade. Agora, somos cidadãos do mundo. E temos o direito de participar da tomada das decisões que acharmos mais justas em todo lugar. É assim que discutimos o controle do clima, o uso de armas nucleares e químicas, a quebra de patentes para remédios essenciais etc.
Politicamente, não podemos mais admitir essa idéia de ter que votar em alguém simplesmente porque essa pessoa “é da família”, ou porque alguém “pediu” para votarmos em tal pessoa, ou porque não podemos deixar que “fulano ou sicrano assuma o poder”. Não é por aí. Isso é o maior desrespeito para com qualquer eleitor. É política coronelística, de um tempo que já se foi. Cada um deve votar no que, ao seu juízo for o melhor representante. E cada um tem que ser respeitado no seu direito de decidir. É desrespeito tentar impor um candidato pela janela. Fazer isso é dizer que tal candidato não tem a competência para disputar a inteligência e a capacidade de raciocínio do eleitor.
Nessas eleições de 2012, tivemos três duplas disputando a preferência do eleitorado em Poxoréu. Todas elas da maior competência. O povo analisou, pesou, mediu e decidiu que a melhor dupla para governar este Município nos próximos quatro anos é Jane Lopes e Lena Guedes. E ponto. Através das regras democráticas essas duas respeitáveis senhoras foram consideradas mais aptas para gerir os interesses do povo de Poxoréu do que as outras duas, formadas por: 1) Eurípedes Araújo e Miguel de Moraes, e 2) Professora Tetê e Ivan da Farmácia. Querer impor outro julgamento diferente desse é querer desrespeitar a democracia e defender a ditadura. Nem pensemos nisso. Outro ponto.
Se nós entendemos que o povo não está sabendo escolher, entendamos também o consectário dessa tese: nós que somos formadores de opinião não estamos sabendo formar direito. Então a falha não é do povo que não sabe votar; a falha é nossa, que não sabemos orientar. Dessa forma, ao invés de defendermos a eleição “à força” de nosso candidato, baseado em qualquer espécie de privilégio imoral, saibamos preparar adequadamente os nossos liderados para que eles escolham os mesmos candidatos que nós, não porque estamos pedindo, ou porque são “prata da casa”, mas porque eles também reconhecem que tais candidatos são realmente os melhores para representá-los. E ponto final.

Izaias Resplandes é advogado, professor e Gerente de Cidades.

segunda-feira, outubro 08, 2012

Poxoréu elege sua primeira Prefeita


Poxoréu é uma pequena cidade situada no leste mato-grossense, a 250 km da Capital do Estado, com 17.602 habitantes, dos quais 13.909 são eleitores. Nas eleições realizadas neste 7 de outubro de 2012, os votos válidos de10.547 eleitores asseguraram a eleição democrática de JANE MARIA SANCHEZ LOPES e LENA GLÓRIA VARANDA VENTRESQUI GUEDES, da coligação "A Hora e a Vez da Mulher", formada pelos partidos PSD - Partido Social Democrático e PT - Partido dos Trabalhadores, como as primeiras Prefeita e Vice-Prefeita deste Município.

Essa eleição é um marco na história do Município, sinalizando que este também já está integrado aos novos tempos de ascenção da mulher aos postos de comando, os quais no passado eram tradicionalmente ocupado por homens.

Aqui, não apenas uma, mas duas mulheres estarão comandando a gestão político-administrativa desta cidade, após receberem 52,93% (cinquenta e dois vírgula noventa e três por cento) dos votos válidos, correspondentes a 5.582 votos, marcando uma diferença de 1.847 votos de diferença para os candidatos EURÍPEDES GOMES DE ARAÚJO (nascido em 20/08/1963, em Bom Jesus, GO) e MIGUEL DAVID DE MORAES, da coligação "Por uma Poxoréu Renovada", formada pelos partidos PMDB - Partido do Movimento Democrático Brasileiro, PR - Partido da Republica e DEM - Partido Democratas, que ficaram em segundo lugar com 3.735 votos, equivalentes a 35,41% dos votos válidos; e uma diferença de 4.352 votos para os candidatos TEREZINHA ROSA RAMOS FILHA DE OLIVEIRA (nascida em Poxoréu, MT, em 24/08/1959) e IVAN SEVERINO DA SILVA (nascido em 12/06/1965, em Quirinópolis, GO), da Coligação "Terceira Via", formada pelos partidos PSC - Partido Social Cristão e PRP que ficaram em terceiro lugar, com 1.230 votos, equivalentes a 11,66% dos votos válidos.

A prefeita eleita em Poxoréu, Jane Maria Sanchez Lopes, filiada ao PSD - Partido Social Democrático é brasiliense, nascida em 08 de março de 1965, esposa de Lindberg Ribeiro Nunes Rocha, ex-prefeito de Poxoréu. Sua vice, Lena Guedes é filiada ao PT -  Partido dos Trabalhadores, poxoreana, nascida em 06/07/1946, esposa de Jurandir Ventresqui Guedes, Presidente da OAB do Município.

A ascenção de Jane e Lena ao poder foi de certa forma bastante tranquila. Durante toda a Campanha, todas as pesquisas realizadas davam como certa a sua vitória de forma esmagadora. Mas isso não deverá influenciar de forma alguma a sua maneira de trabalhar. Jane já esteve Secretária de Saúde de Poxoréu durante a gestão Lindberg (1997-2000) e foi destaque como uma das mais competentes gestoras da saúde deste Município em todos os tempos. Não teve naquela época e não deverá ter agora uma personalidade revanchista, típica daqueles que não sabem ganhar e que desrespeitam os derrotados.

Jane Lopez com certeza saberá tratar a todos os habitantes do Município com equidade e justiça, sem qualquer discriminação, preconceito ou acepção. A partir de 01 de janeiro, quando assume o comando da Administração Municipal, juntamente com Lena Guedes, ela será, de direito e deverá ser de fato a Prefeita de todos os que vivem no Vale do Rio Poxoréu, tanto na zona urbana como na zona rural. Deverá governar em nome de todos e buscar transformar em realidade as suas propostas de campanha.


Para a Câmara Municipal foram eleitos os seguintes vereadores: Aguinaldo Santos (PMDB, 524 votos), Jucélio de Oliveira Barbosa (DEM, 427), Fernandinho Alves de Sousa (PSD, 391), Carlos Mineiro (PR, 360), Carlinhos Valin (PDT, 358), Onofre do Sindicato (PP, 343), Professor Francisco (PT, 303), Raniere Farias Pinto (PSD, 272), Evangelista (PSD, 267), Maurício (PR, 259) e Agnaldo Batata (PTB, 238).

O povo de Poxoréu está feliz com a eleição de Jane Lopes, a qual se fundamenta na saudade dos bons anos em que Poxoréu foi governado pela Equipe Lindberg, cuja principal característica era a competência e o profissionalismo. Em seus governos, Lindberg sempre procurou se cercar dos melhores profissionais. Jane, com certeza, deverá desenvolver a sua própria marca de governo, mas não deve se afastar muito dos aspectos positivos que já desenvolveu no passado.


A insatisfação com a eleição da nova prefeita Jane é muito pequena e logo, logo deverá se desvanecer, principalmente quando a cidade estiver sendo governada com o devido respeito, carinho e amor que ela e sua gente merecem.

Eurípedes Araújo é um bom empresário, foi um bom candidato, é uma boa pessoa, poderia fazer uma boa adminsitração, mas infelizmente representava a sucessão de doze anos de administração municipal mal sucedida. A população está insatisfeita com o governo da cidade nos moldes atuais e por isso sua candidatura trazia um alto índice de rejeição popular, dado que aglomerava em seu entorno as mesmas pessoas e idéias que nortearam o governo municipal nos três últimos mandatos.

Terezinha Rosa Ramos também era uma boa candidata. É uma professora aposentada de grande prestígio entre os intelectuais. Também já fez parte da Equipe Lindberg em outros governos. Seria, com certeza, uma excelente administradora, mas a idéia de sua candidatura surgiu muito recentemente e foi marcada por muitos desentendimentos e desencontros entre aqueles que deveriam apoiá-la. Essa mensagem de falta de unidade na equipe da Terceira Via foi passada para a população juntamente com a idéia de que sua administração poderia se transformar numa guerra pelo poder, o que ninguém nesse momento estaria interessado em Poxoréu. Daí a pequena votação.

A candidatura de Jane, apesar dos dissabores que causa a um pequeno grupo de intelectuais que tentam, mas não conseguem liderar o povo em outra direção, representava a melhor opção para o Município e a Equipe 55 soube transmitir essa segurança para o povo, o qual, nese 7 de Outubro, correspondeu às expectativas dando o seu voto para as duas mulheres eleitas, que desde agora entram para a história de Poxoréu, independente do que fizerem, como as duas primeiras adminsitradoras majoritárias deste Município.

Quanto ao que vem pela frente, ainda é muito cedo para julgar. Vamos dar o tempo necessário para que a novas gestoras municipais possam mostrar ao que e para que vieram. Até aqui, só temos que cumprimentar as eleitas pela forma brilhante com que conduziram essa campanha. Os blá-blá-blás e dise-me-disses de um lado e de outro fazem parte do embate, mas agora deve ser coisa do passado e todos os que amam e sonham com melhores dias para Poxoréu devem esquecer e se juntar aos novos gestores, dando-lhes o respaldo de confiança para que possam fazer uma profícua administração para este município. Agir na contra-mão dessa idéia é desejar a manutenção do status quo atual, o que parece, ninguém deseja.

Fica aqui o nosso respeito e os nossos cumprimentos aos candidatos que tiveram a coragem de colocar os seus nomes para a apreciação popular, tanto na condição de gestores como na condição de legisladores. Que o bom exemplo dos senhores sirva para estimular outros a seguirem na mesma direção. Parabéns a todos. Até o momento não há vencidos. Todos nós somos vencedores por termos feito uma brilhante eleição em Poxoréu, MT.


Izaias Resplandes é advogado, professor e gerente de cidades.