domingo, agosto 09, 2015

Feliz Dia dos Pais



Tem vários tipos de pais, mas de um modo geral podemos dizer que PAI é aquele que fez alguma coisa para nos garantir a existência. Eu sou cristão. Creio em Deus PAI, Filho e Espírito Santo, a Santíssima Trindade. Esse DEUS é o PAi NOSSO QUE ESTÁ NOS CÉUS. Depois tem o nosso pai biológico, que foi aquele que forneceu, em um ato de amor ou não, o gene de nossa existência. Depois teve o pai que cuidou de nós, que banhou, que vestiu, que alimentou, que brincou, que se encantou, que ensinou, que acariciou, que amou. Às vezes esse pai foi um pai pleno, às vezes parcial, às vezes bem pontual. 
Alguns foram Joões, outros foram Marias, outros foram Marias Joões e outros Joões Marias. Teve também os anônimos Joões Ninguém, que fizeram por nós, mas nunca quiseram aparecer. Teve o pai pastor, o pai padre, o pai professor, o pai doutor que fez o parto ou consultou, ou operou... São tantos os pais que passaram por nossa vida, que ninguém jamais foi órfão de verdade. Todos nós tivemos e ainda temos um ou muitos pais. Eu sempre tive muitos pais. E hoje eu quero agradecer a cada um que foi pelo menos uma vez, ou um dia, um mês, um ano, uma existência, um de meus pais na minha vida. Obrigado por ter se preocupado comigo de alguma forma. Diz a Bíblia que ninguém que tenha feito por um cristão qualquer coisa, ficará sem a recompensa divina, ainda que esse ato seja apenas o de dar um copo de água fria. Você fez muito mais que isso por mim. Eu quero te agradecer por isso e pedir que Deus te dê a recompensa por ter sido um de meus pais nessa vida. Obrigado por tudo. Abraço fraterno. 
Feliz dia dos pais!

sábado, agosto 08, 2015

A honra aos pais II


A honra aos pais II
Prof. Izaias Resplandes de Sousa
Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. Efésios 6:2-3.
Todos os dias nós cumprimentamos nossos amigos que aniversariam, com expressões do tipo: vida longa; que Deus multiplique seus dias; que Deus te dê muitos anos de vida; e frases semelhantes.
A Palavra de Deus nos dá uma receita de como isso pode acontecer, de como poderemos ter nossos dias prolongados na terra.
Honra a teu pai....
Segundo o apóstolo São Paulo, em Ef. 6:2, esse “é o primeiro mandamento com promessa”.
A promessa é de longevidade.
Filhos, vocês querem viver muitos anos?
Então honrem a teus pais!
Incorporem em seus comportamentos aquelas virtudes que seus pais tanto valorizam: honestidade, dignidade, coragem...
Sejam honestos. Falem a verdade. Não mintam. Não deturpem as coisas. Sejam sinceros. Contentem-se com o que é seu. Respeitem o que é dos outros. Sejam reconhecidos como pessoas de reputação ilibada, pessoas que merecem confiança, pessoas sérias.
Todo pai gostaria que o filho fosse assim.
Mas o que se vê por aí?
Vemos pessoas sadias fingindo-se de doentes para obter os privilégios de licenças remuneradas, aposentadorias precoces. Elas montam seus ardis de tal forma que até conseguem convencer profissionais de saúde a respaldarem suas mentiras. E passam a vida se mantendo com os recursos públicos, ao invés de trabalharem e de contribuírem para o seu próprio crescimento e também o crescimento de seu país.
Vemos estudantes se promovendo nos estudos na base de colas, de cópias, de plágios e de outras falsificações, e que se tornam profissionais vis e desprezíveis ao invés de profissionais de respeito e valorizados por todos.
Vemos pessoas contrabandeando ou adquirindo produtos contrabandeados dos países vizinhos sem o devido recolhimento dos impostos, para comprar mais barato e ainda defendendo que isso está certo, porque em seu país se cobra impostos em demasia, ao invés de comprarem em suas respectivas cidades e em seu país, para valorizarem a prata da casa. É possível que se todos fossem honestos e pagassem seus impostos, provavelmente haveria uma menor oneração sobre nós.
Vemos pessoas casadas se passando por solteiras para seduzirem jovens despreparadas ou despreparados para conhecerem sobre a malícia dos seres humanos, ao invés de valorizarem as suas próprias famílias, seus cônjuges, seus filhos.
Vemos muita gente querendo levar vantagem em tudo, ao invés de se contentarem apenas com aquilo que é seu de direito.
Assim, filhos... Sejam dignos. Comportem-se de tal forma que todos falem a seu respeito com uma boca boa, cheia de prazer e satisfação.
Se vocês levarem uma vida nessa linha, com certeza vocês estarão honrando aos seus pais, mesmo que eles não tenham levado a mesma vida que vocês levam. As pessoas vão dizer de seus pais sobre cada um de vocês: o filho (ou filha) daquele homem é realmente uma pessoa de valor.
Atitudes como essas estão na base do ato de honrar aos pais!
Mas a honra ainda vai muito além...
Estejam junto de seus pais o máximo que vocês puderem. Convidem-nos para suas festas, mesmo que vocês seja pessoas importantes e eles sejam pessoas humildes. Valorizem o ato de estar ao lado deles. Honrem-nos em seus estudos tirando boas notas; convidem-nos para irem à escola ver como vocês estão se comportando por lá. Ah, meus queridos filhos! Seus pais vão gostar muito de ouvirem seus professores falando bem de cada um de vocês, dizendo que é um aluno estudioso, aplicado, respeitador, participativo...
Se escreverem um livro, dediquem-no à memória de seus pais, que certamente te incentivaram a estudar.
Façam seus pais sentirem que vocês realmente apreciam a companhia dele, sua conversa, suas orientações. Deixem claro que, mesmo discordando de algumas coisas, vocês respeitam os pensamentos e as ideias deles. Conversem sobre suas discordâncias, sempre com respeito, procurando entender e valorizar o que seus pais querem dizer a vocês e que certamente serão coisas boas, pois qual é o pai que o filho pede um peixe e ele lhe dá uma cobra?
O pai sempre quer o melhor para o seu filho. E somente deve ser ignorado quando for um mau pai e quiser levar você a fazer coisas vis, imorais, erradas, indignas, ilegais e injustas.
E às queridas filhas, eu quero dizer:
Ah, meninas, como deve se sentir honrado aquele pai que leva sua filha ao altar no dia de seu casamento! Deem essa alegria ao seu velho. Ainda que muita gente veja esse casamento religioso como sem muita importância, toda filha e todo pai sonha com esse dia.
O dia do casamento dos filhos, quando os noivos se vestem em seus mais lindos trajes para comparecerem diante da igreja, a fim de receberem a bênção de Deus através da irmandade, dos amigos, dos familiares e de outros convidados é um dia de grande honra. Todos os que ali estiverem se sentirão honrados por estarem ali. E seu pai, meninas, talvez até mais do que vocês, se sentirá o homem mais feliz do mundo.
Então, meus queridos filhos...
Que cada um de vocês seja sempre um filho, ainda que já seja maior de idade. Honre seu velho, permitindo-lhe que ele seja seu pai. Ouça-o! Pergunte as coisas para ele e reflita calma e profundamente em suas declarações antes de rejeitá-las. Dê-lhe a honra de ser sempre seu pai, como se você ainda fosse uma criança.
Se as orientações que seu pai lhe deu foram boas e se você também educa seus filhos no mesmo sentido, então não se desvie dessas instruções, ainda que você já tenha uma boa idade.
Isso é honrar a seus pais.
A honra deve alcançar palavras e ações. A honra só de boca é hipócrita. Lábios e corações devem estar casados. A boca deve falar daquilo que o coração está cheio, para que a honraria seja um ato de autêntico valor.
Falando sobre essa falta de sintonia que costumeiramente vemos entre nós, Jesus disse:
Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim. Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens. E, chamando a si a multidão, disse-lhes: Ouvi, e entendei: O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem. Mateus 15:8-11.
As palavras que saírem de nossa boca devem ter boa praticidade, devem alcançar bons resultados. Resultados, todas as palavras trazem. Mas, bons resultados, nem sempre...
Ao finalizar queremos apontar que a honra prestada  aos nossos pais, por estarem nessa condição de pais, na verdade reflete a própria honra que fazemos ao Nosso Pai Celestial, nosso verdadeiro Pai.
O apóstolo João nos alerta sobre a relação de amor entre nós e Deus. Ela deve começar entre nós,  pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? 1 João 4:20.
Parafraseando a ideia: quem não honra a seu pai na Terra, a quem conhece e com o qual convive, como pode honrar alguém que está no Céu e a quem nunca viu?


E essa é a mensagem. Que Deus nos abençoe e nos ajude a estar colocando essas ideias em prática durante todos os dias de nossa vida.

A honra aos pais I

É certo que este é um dos temas mais explorados de todos os tempos, mas que, mesmo assim, deve ser objeto de reflexão constante pelas partes diretamente envolvidas – pais e filhos –, seja de forma conjunta, seja de forma isolada, dada a importância exercida pela família no contexto social. Trata-se de uma relação de mão dupla, onde os dois lados envolvidos têm responsabilidades mútuas. É isso que a Bíblia nos ensina e que procuraremos resgatar durante essa reflexão.
A Bíblia é a base moral e ética da família ocidental. O cristianismo é a maior religião do ocidente. “Pais e Filhos” é um tema bíblico. E é do livro sagrado que temos as primeiras orientações acerca dessa relação. “Honra a teu pai e a tua mãe, como o SENHOR teu Deus te ordenou, para que se prolonguem os teus dias, e para que te vá bem na terra que te dá o SENHOR teu Deus” (Dt 5:16; Mc 10:19).
Honrar é ter orgulho, prazer, satisfação, respeito, consideração. Aquele que não sente nada disso em relação aos seus pais certamente não será uma pessoa feliz. Eu sei que muitos não tiveram “pais” na verdadeira conotação que se gostaria de dar a
essa palavra, mas não se pode fazer da exceção a regra. Além disso, é muito difícil para um menino sobreviver sozinho. De forma que, mesmo indiretamente, cada um de nós teve alguém que se preocupou com a nossa existência. E por conta dessa preocupação, nós chegamos até esse estágio da vida. Nesse sentido poderemos dispensar o tratamento de pai a essa pessoa que se preocupou conosco, que fez alguma coisa, mesmo que pequena, para garantir o nosso lugar ao sol.
O pai não é somente o biológico, mas é também. Aliás, embora muitos destes “biológicos” não fizeram nada mais do que nos colocar no mundo, o que pode ser considerado muito pouco, é de destacar que sem isso não existiríamos. De forma que, se temos satisfação de estar vivos e de existir, então temos que ser gratos também a este pai biológico. Ele pode ter feito muito pouco, mas fez, todavia, o essencial para que viéssemos ao mundo. Não seríamos filhos de Deus se não fôssemos gratos até mesmo pelas pequenas coisas que nos acontecem. Deus promete bênçãos até para quem der a um de seus discípulos um simples “copo de água fria” (Mt 10:42). E certamente o direito à vida vale muito mais do que um copo de água. Não nos esqueçamos disso. Às vezes o nosso coração está tão amargo que não conseguimos ser bem agradecidos. Deus não ensina os seus filhos a agir com amargura, mas com amor (Ef 4:26; Hb 12:15)
A Bíblia registra uma promessa de longa vida para aquele que honrar seus pais. Não importa se sejam biológicos, adotivos, espirituais ou apenas carismáticos. O que importa é que sejam pais, que se preocupem hoje ou que alguma vez se preocuparam de alguma forma, com a existência de alguém. Paulo faz esse destaque especial em Ef 6:2, dizendo que esse ato de honraria “é o primeiro mandamento com promessa”.
Sobre essa questão de honraria. desejo dar um testemunho pessoal. Tenho três filhos maravilhosos: Fernando, Mariza e Ricardo. Todos estão chegando à maioridade, mas respeitando e valorizando as orientações que receberam de seus pais durante a adolescência de suas vidas. São estudiosos, trabalhadores e seguem junto conosco o “caminho, e a verdade e a vida” que nos conduz “ao Pai” (Jo 14:6). Quero acreditar que eles continuarão trilhando pelo “caminho que devem andar” (Pv 22:6), mesmo depois que Lourdes e eu tivermos partido desse mundo. Nós nos sentimos muito honrados e abençoados com os nossos filhos.
Muitos filhos deixam os pais para estudar, ou quando se casam. Diz a Bíblia que um dia “deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne”. Essa é uma experiência necessária. Ao se casar, o jovem deve passar um tempo somente com sua esposa, para se adaptar à vida a dois, para conhecê-la e também para ser conhecido por ela. Isso não significa que nunca mais devam procurar seus pais. Pelo contrário. A partir de um determinado momento, devem, inclusive, assumir a responsabilidade por cuidar deles (1 Tm 5:8; Jo 19:27). Deus abençoa os pais para fazerem o seu melhor por seus filhos e depois abençoa os filhos para também fazerem o seu melhor por seus pais.
Nós temos sido abençoados sobremaneira. Nada nos têm faltado (Ef 1:3). Sem dúvida alguma podemos dizer com Samuel que “até aqui nos ajudou o Senhor” (1 Sm 7:12).  E temos certeza de que Deus continuará nos ajudando e nos abençoando, bem como aos nossos filhos para que, em parceria, continuemos construindo nossas vidas conforme a sua vontade. Essa é uma relação que deve acontecer não somente conosco, mas com todos os pais e filhos, porque esse é o desejo de Deus para todos os seus.
Por outro lado, é de destacar que hoje, além dos pais biológicos, todos nós temos um pai adotivo que é Deus e muitos irmãos e mães. Como disse Jesus: “qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe”. Fazemos parte de uma família espiritual, onde cada um se preocupa com cada um, sofrendo e se alegrando conjuntamente. Com certeza existem muitas pessoas sozinhas neste mundo, mas não existe crente sem ninguém. “Deus faz que o solitário viva em família; liberta aqueles que estão presos em grilhões; mas os rebeldes habitam em terra seca” (Sl 68:6). Cada crente deve honrar aquele que o encaminhou na vida espiritual como se fosse seu pai (1 Tm 1:2; Tt 1:4; Hb 13:17). Deus aprecia aquele que é bem agradecido pelo que recebeu (Lc 17:17) e haverá um coroa de honra para aquele que soube honrar e valorizar os seus pais, caracterizada pela vida longa e pelos cabelos brancos da velhice abençoada (Pv 16:31). Que todos nós possamos recebê-la. Esse é o objetivo da instrução.