sábado, maio 07, 2016

Feliz dia das mães, minha mãe!

Querida mamãe!

Quero te cumprimentar pelo dia das mães neste ano de 2016. Sou muito feliz de poder ter a oportunidade de conviver contigo, ainda que frequente muito pouco a sua casa. Talvez pudesse ter passado um pouco mais do meu tempo de vida ao seu lado, mas infelizmente, tenho vivido muito ocupado com os corre-corres da vida cotidiana. De forma que, mais que lamentar, eu quero te agradecer pelo seu exemplo, que fez de mim um homem trabalhador.

Admiro a sua fibra de luta e de disposição para o trabalho. Posso ter sido omisso no afeto, no carinho e na atenção, mas me dediquei aos estudos e ao trabalho, buscando alcançar os melhores resultados nesses campos. Seu exemplo de mulher trabalhadora sempre me encantou. Você sempre trabalhou incansavelmente e nunca se envergonhou de ter que trabalhar, ainda que às vezes tivesse de executar trabalhos considerados mais inferiores. Aprendi contigo e com o meu pai também, que o mais importante é trabalhar e posso dizer que desde que alcancei a maioridade, foram raros os dias em que fiquei desempregado, embora nem sempre tenha escolhido o serviço a fazer. Essa lição de ser trabalhador eu a aprendi muito bem com vocês. E ainda hoje, do alto de seus cabelos embranquecidos pela vida, você ainda continua ensinando aos meus irmãos e a mim, que todos nós devemos trabalhar e fazer a nossa parte. É claro que carinho e amor são muito importantes, mas dificilmente haverá carinho e amor onde houver a falta dos bens necessários para sobrevivência.

Aprendi que primeiro devemos cuidar da barriga, para depois cuidar do coração. Afinal, ainda que muitos pensem o contrário, saco vazio não para em pé. E assim tem sido durante toda a nossa vida. Demonstramos o nosso carinho e o nosso amor uns pelos outros, trabalhando para que em nossos lares nunca tivéssemos que ficar de barriga vazia. Tivemos dias difíceis, nossas lembranças que o diga, mas nós os vencemos porque nós nos amávamos e soubemos trabalhar sempre unidos para vencer os dias maus.

Por outro lado, ainda que esteja agradecido porque fui educado para ser um trabalhador e dar o melhor de mim, não posso negar que, por muitas vezes, me encontrei a lamentar o fato de ter dedicado quase todo o meu tempo de vida ao trabalho, deixando muito pouco para a convivência familiar com a senhora, minha mãe, e também com minha esposa, meus filhos e meu neto. Quero dizer-te que sinto muita falta dessa convivência e sei que ainda poderei lamentar por não ter aproveitado mais. Mas, infelizmente, o que foi, foi. E, por isso, não vou agora começar a chorar pelo leite derramado.
Todavia, antes do abraço desse dia, mesmo que minha educação recebida diga que não seja preciso, eu quero te pedir perdão por ter-lhe dado apenas umas poucas migalhas de minha atenção e quero agradecer-te por me ter dado o máximo da sua quando pude estar contigo.

Obrigado por tudo o que tem feito por mim até aqui. Sei que nossa realidade foi dura, mas foi vivida com dignidade. Ninguém diga que seus filhos não sejam homens de fibra como você também tem sido até aqui e, com certeza será até o final de seus dias.

É claro que hoje a senhora não precisaria mais continuar trabalhando. No entanto, continua. De sol a sol, de domingo a domingo. Eu entendo que sua mensagem está a me dizer que nunca poderá parar de me ensinar, ainda que hoje eu já comece a viver os meus dias como ancião. Não tenho dúvidas que enquanto eu viver estarei sendo ensinado pelo seu exemplo de mulher trabalhadora.

Também te agradeço pela orientação espiritual. A ciência que estudei travou duras batalhas comigo, mas sempre busquei dominá-la ao invés de ser dominado por ela. Assim, não me tornei um cético, mas um cientista de fé, que aprendeu a usar a ciência para consolidar as instruções espirituais aprendidas com a senhora, no estudo teórico e prático da Bíblia Sagrada, ao invés de me tornar uma espécie de cientista ateu e sem esperança, que somente conseguisse ver o que estivesse na ponta do seu dedo indicador. Assim, uso o melhor da ciência em meu benefício material, ao tempo em que me aprofundo no conhecimento da Palavra de Deus. Afinal, não duvido que seja Ele o criador de todas as coisas, diga o que diga quem quiser dizer o contrário. Há muitos que acham impossível esse casamento, mas vivo muito bem como um cientista criacionista. E nisso eu te louvo, minha mãe. Pois foi a senhora que me encaminhou no caminho das profundidades do conhecimento espiritual. A senhora não poderia ter feito melhor do que isso, posto que hoje, guardo em meu coração a convicção de que um dia nós estaremos todos juntos para sempre na presença de Deus, nosso Pai, porque, além desse ser o Seu desejo, Ele não mediu esforços, misericórdia e bondade para que isso acontecesse.

Por tudo isso que disse, mas principalmente pelo que não disse e que talvez diga outro dia, muito obrigado, mamãe. Você é uma mãe nota dez! Eu te amo e te admiro e te guardo no mais profundo aconchego de meu coração.


Feliz dia das mães, minha mãe!

terça-feira, janeiro 19, 2016

Bodas de Madrepérola

Bodas de Madrepérola


Era sábado, noite. De dia chovera, mas a noite fora reservada para nós. Corria o ano de 19 de janeiro de 1985. Naquela época Lourdes estava com 23, quase 24 anos e eu estava com 27. Não iniciávamos uma aventura. Não éramos mais adolescentes. Sabíamos o que queríamos: viver juntos, apoiar-nos mutuamente, construir uma família, ter filhos... Tínhamos certeza de que poderíamos isso e muito mais.  Nosso amor seria o alicerce e as colunas da construção que, então, iniciávamos.


Tudo foi simples, mas verdadeiro. Nossos familiares mais próximos estavam presentes. Alguns amigos e familiares vieram de Mato Grosso para a cerimônia para serem testemunhas de nossa decisão. Nossos pais e demais familiares se alegraram conosco naquela ocasião. Foi uma noite muito feliz. Tivemos muitos percalços para que o nosso casamento se concretizasse. Mas, finalmente, tudo o que imaginávamos começava. Eu viveria para Lourdes e ela viveria para mim.


Os anos passaram. Tivemos dificuldades. Mas com a nossa persistência e disposição, tudo foi superado. Tivemos três filhos maravilhosos: Fernando, Mariza e Ricardo. Fernando se casou com Mariana e já nos deu Davi, nosso primeiro netinho. E agora eles já nos anunciaram que seremos avós de novo. Essa tem sido a nossa vida.


Já se vão trinta e um anos de vida conjugal. É certo que nem tudo foram flores. Tivemos nossos conflitos, nossas tristezas e alguns desentendimentos. Não seríamos normais se assim não fosse. Mas podemos dizer que essas noites não foram nada, diante da grandeza de nossas concordâncias, nossas alegrias e nossos entendimentos. As qualidades de nossa união superaram e abafaram os pequenos defeitos de percurso. De forma que nem temos muitas lembranças de momentos ruins que tenhamos vivido. Mas temos muitas memórias de nossos momentos felizes.


À Lourdes, nessa noite de 19 de janeiro de 2016, 31 anos depois daquela prima noche, quero dizer que valeu a pena cada segundo que vivi ao seu lado. Eu teria grande prazer de começar tudo de novo outra vez. Mil vezes trocaria alianças e me casaria contigo, se tantas vidas e tantas oportunidades eu tivesse.


Eu te amo, minha escolhida entre todas as mulheres. Viver com você me faz um dos homens mais felizes dessa vida. Aproveito a ocasião dessa celebração para também pedir a você o perdão pelas vezes que te magoei. Assumo o compromisso de fazer o melhor que puder para que nossa união perdure no tempo permitido por Deus, cuidando e zelando de você.


Que Deus nos reabençoe nessa ocasião. Parabéns pelo nosso dia. Trinta e um beijos com muito amor para você.

sexta-feira, janeiro 15, 2016

Missões de amor

Missões de Amor

Prof. Izaias Resplandes



Cada um de nós veio ao mundo para cumprir uma missão. Uma missão de amor. Deus deseja que todos nós sejamos capazes de amar. Amar primeiramente a Deus e depois amar também às demais pessoas, da mesma forma com que amaríamos a nós mesmos.


A respeito desse mandamento de amor, Jesus disse:
Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Mateus 22:37-39.


Ainda que não haja um mandamento de amor por nós mesmos, entendemos que devemos ter amor próprio e devemos também cuidar de nós, principalmente porque nosso corpo é o templo do Espírito Santo. Mas esse não é o amor que deve ter a primazia em nossas vidas. Se fôssemos estabelecer uma ordem sobre a prática do amor, eu diria que primeiro devemos amar a Deus, depois amar aos demais e por último a nós mesmos.


Paulo escreveu em 1 Coríntios 13:5, que o amor não busca os seus próprios interesses.
O verdadeiro amor consiste em buscar fazer a vontade de Deus, em primeiro lugar. E em segundo lugar, atender às necessidades das demais pessoas com as quais convivemos, e que são os nossos alvos missionários.
Deus deseja que nós trabalhemos com amor e ardor em favor dos nossos semelhantes.


Somente demonstraremos que amamos de fato a Deus se formos capazes de amar os nossos semelhantes com a mesma intensidade de amor, com que amaríamos a nós mesmos.


Jesus disse:
Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros. João 13:34-35.


E Deus nos ajuda a cumprir nossa missão, colocando pessoas com necessidades especiais à nossa volta. E nos capacita para servi-las. Ele nos dá saúde, força e vigor, bem como bens materiais, para que nós possamos ter êxito no cumprimento de nossa missão de amor.


Deus não coloca sobre nossas costas um fardo pesado demais, ao qual nós não conseguimos carregar. O nosso fardo é proporcional à nossa capacidade.


Assim diz a Palavra:
Porque é assim como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e lhes entregou os seus bens: a um deu cinco talentos, a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade; e seguiu viagem. Mateus 25:14-15.


Deus não pede que amemos acima da nossa capacidade de amar. Primeiro ele deseja que nós cuidemos de nós mesmos. Depois que cuidemos de nossa família. E depois que cuidemos das demais pessoas e de toda a criação.


É por isso que Deus nos dá muito mais do que nós precisamos. Para que nós possamos cumprir com as missões que ele determinou que nós cumpríssemos.


Por outro lado, existe alguém que fará todo o possível para nos desviar de nossos objetivos. Essa pessoa é Satanás. Ele é o inimigo de nossas almas. Ele é o nosso adversário. É aquele que vive semeando o joio no meio do trigo. Foi assim que disse Jesus em sua parábola do semeador: o inimigo que o semeou é o Diabo. Mateus 13:39.


Satanás não quer que sejamos bem sucedidos. Ele quer que nós fracassemos no cumprimento de nossas missões. Ele se esforça para que nós sejamos egoístas e para que pensemos apenas em nós mesmos. Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo. 1 Coríntios 15:57.


Quando nós vemos alguém doente em uma família, muitas vezes pensamos que essa família deva ter cometido alguma coisa ruim para que a enfermidade viesse sobre ela. Mas nem sempre é assim. Nem toda enfermidade é por conta de pecado, ainda que possa ser. 


Vejamos um pouco da história da cura daquele cego de nascença registrada em João 9:1-4. O texto diz assim:
E passando Jesus, viu um homem cego de nascença. Perguntaram-lhe os seus discípulos: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?  Respondeu Jesus: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi para que nele se manifestem as obras de Deus. Importa que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; vem a noite, quando ninguém pode trabalhar.


Uma pessoa enferma é uma oportunidade para que possamos fazer nela as obras de Deus.


Quando cuidamos e nos preocupamos com aquele que está enfermo, nós estamos fazendo a obra de Deus.



A ENFERMIDADE DE RICARDO

No início de 2010, meu filho Ricardo foi diagnosticado como tendo um angioma cavernoso se desenvolvendo no topo de seu tronco encefálico, na região do mesencéfalo. Bem no centro da cabeça. Não é uma doença. O angioma é um órgão extra, congênito (de nascença). Conforme o lugar em que ele se desenvolve, não há risco para a pessoa. Por exemplo: já viram algumas pessoas com um sexto dedo nas mãos? É parecido com essa situação.



No caso de Ricardo, o angioma surgiu em um lugar onde não há espaço físico para ele crescer, naturalmente. Mas, como todo órgão do corpo, ele também foi crescendo, mesmo com as dificuldades topográficas de sua localização. Ele foi se espremendo dentro da cabeça de Ricardo. Segundo o neurocirurgião que cuida dele, ali é como se fosse a alma dele, porque aquela é a região onde estão os nervos que ligam o corpo ao cérebro. E qualquer lesão ali pode provocar sequelas na pessoa.


E então, depois de muitas lutas, Ricardo foi operado em 31/03/2010. Na ocasião, a equipe médica fez o seu melhor. Não pode retirar todo o angioma, para evitar sequelas, mas Ricardo ficou bem. E durante esses quase seis anos, de lá para cá, ele teve uma vida normal, estudando, trabalhando, amando, participando das atividades da igreja e da vida, como qualquer pessoa normal.


Ricardo é um rapaz muito especial. É generoso. Para ele, tudo está bem. Quase não reclama de nada. Nem mesmo das dores que sente. É um moço que só contribui para que nós possamos ser uma família feliz.


Mas então ele chegou para nós (Lourdes e eu), pedindo para fazer novos exames e nova ressonância magnética para ver como ele estava, porque ele vinha sentindo fortes dores de cabeça e os analgésicos não estavam surtindo efeitos. Destaque-se: Ricardo é farmacêutico. Acreditamos que estava tomando os remédios que entendia serem adequados para tirar as dores que sentia. 



Cumprindo esse propósito, chegamos em Goiânia. Procuramos o mesmo médico que fez a cirurgia em 2010. Ele é considerado um dos melhores profissionais da neurocirurgia do Brasil. Uma nova ressonância foi realizada, revelando as nossas preocupações: o angioma voltara a crescer. Ricardo precisaria ser operado novamente.


Ficamos sem palavras! Naquele momento, percebendo a nossa impotência diante do problema, o médico nos disse que não haveria pressa; que não precisávamos fazer a cirurgia imediatamente; que poderíamos esperar mais algum tempo, lá para janeiro ou fevereiro. Mas também nos disse que a cirurgia precisava ser feita, para evitar que o cavernoma, continuando a crescer, viesse ser perfurado como fora em 2010 e provocasse novas lesões na região, que poderiam alterar as funções normais do corpo.


E então nós entendemos que não podíamos esperar. Não queríamos correr os riscos do agravamento da situação, sem a perspectiva de regressão. Decidimos fazer a cirurgia. Pedimos um orçamento para ver se conseguíamos pagar.


A previsão inicial é que cirurgias desse tipo ficariam em torno de 40 mil. Mas após o médico explicar para a servidora todos os detalhes da operação, ela refez os cálculos e disse que ficaria em torno de 60 mil reais. Não dispúnhamos desse dinheiro. Mas não tivemos dúvidas de que iríamos conseguir levantá-lo.


Cremos em Deus. Somos cristãos. Servimos àquele que é dono do ouro e da prata. Fazemos parte da família de Deus. Somos seus filhos e cremos que seríamos socorridos em nossa necessidade. E fomos!


Ricardo foi operado no dia 5 de janeiro de 2016. Entrou no centro cirúrgico às 8 horas da manhã e saiu às 15 horas. Foi uma cirurgia longa. Naquele dia o médico disse que não faria mais nada, dedicando-se integralmente à realização e acompanhamento do procedimento. Por várias vezes, falou-me sobre a delicadeza da operação. Sabendo que éramos pessoas que vivem pela fé, pediu-me que orássemos por Ricardo, mas que também orássemos por ele.


O pedido do médico nos pareceu muito especial. Muitos médicos pensam que são deuses e que podem fazer milagres nas vidas de seus pacientes. Não compreendem que são apenas instrumentos nas mãos do Médico dos médicos. Graças a Deus, o médico do Ricardo sabia qual era o seu lugar nessa operação. Pedimos que fossem replicadas orações a Deus também em seu favor.


E muita gente orou. E Deus ouviu. E a certeza que temos dessa resposta é consequência de tudo o que ocorreu até aqui.


Como da primeira vez, antes da cirurgia o médico pediu que eu fosse sozinho conversar com ele, para que falasse francamente sobre os riscos da operação. Embora ele acreditasse que tudo correria bem, não podia deixar de dizer que o estado de saúde do Ricardo se agravaria depois da cirurgia. As deficiências que ele já possuía poderiam ficar mais acentuadas. Ele corria o risco de ficar com deformações faciais, como pálpebras caídas, boca torta, por exemplo. Mas que, com o passar do tempo, isso voltaria ao normal.


Depois da conversa com o médico eu chorei, interiormente, porque eu fiquei imaginando que nunca mais veria o meu filho com a mesma aparência bonita que ele sempre teve, ainda que para mim, seu pai, ele nunca ficaria feio. Não chorava por mim, mas por ele, porque sei o quanto a aparência física importa para os mais jovens. E o médico me recomendou que não falasse com ele sobre esse agravamento das sequelas, para que ele continuasse acreditando que não haveria problemas e se mantivesse com a mesma prontidão e disposição para o procedimento.


Quantas vezes o médico me disse que Ricardo poderia ter ficado em coma, mudo, sem condições de engolir direito, de mastigar... Mas, como tirar as esperanças do meu rapaz!


Conversei delicadamente com Ricardo. Ele me disse que estava com medo. Também lhe disse que estava com medo. Mas nos confortamos mutuamente, dizendo-nos que Deus estava no controle e que, segundo sua vontade, tudo daria certo.


E essa foi a nossa decisão. Fosse o que fosse, que  a vontade de Deus fosse feita! Se fosse para ficar bom, aleluia! Se não fosse, glória a Deus!


Os recursos para pagar a cirurgia foram providenciados. Duas pessoas da família nos emprestaram a metade do valor para que pagássemos posteriormente. Os outros 30 mil vieram de nossas provisões pessoais e de doações, as quais chegaram a aproximadamente 20 mil reais.


Quem doou? Nós sabemos, mas reservaremos essas informações a nós e a Deus. A informação que prestamos é para que todos saibam que Deus não coloca um fardo em nossas costas, sem nos dar os meios para carregá-lo.


Em nenhum momento de nossa jornada, me preocupei com a questão financeira mais do que deveria. Eu entendi que isso estaria sendo resolvido pelo Pai, como de fato foi. E ainda está sendo, posto que quase todos os dias alguém faz um depósito de amor em nossa conta. Várias pessoas me mandam mensagens privadas pedindo o número da conta porque sentiu em seu coração que deveria contribuir conosco no pagamento das despesas. E é evidente que jamais recusaríamos as providências divinas.


Compreendemos que se Deus fala conosco, devemos ouvir a sua voz, seja para ajudar a quem for. Seja parente ou estranho, de nossa igreja local ou de qualquer outra. Quem ajuda, ajuda! Não pergunta a Deus e nem a ninguém porque, simplesmente ajuda! É isso que Deus espera de nós.


Uma pessoa me disse que não era Ricardo a pessoa mais beneficiada com toda essa situação. Éramos nós, aqueles que o amamos. Éramos nós que tínhamos o privilégio de sermos abençoados com a oportunidade de participar. E eu concordo com isso.


Toda vez que somos desafiados a participar de qualquer campanha, nós nos sentimos abençoados. Há uma alegria especial para a pessoa que compartilha um pouco do que tem com o seu próximo.


Na primeira cirurgia, uma senhora que cuidava da limpeza da escola onde eu trabalhava saiu um dia correndo atrás de mim e me chamando. Eu parei e ela, chegando, me disse: “professor, eu também quero participar. Eu não posso dar muito, mas o que dou é de coração”. E então ela me deu 20 reais. Eu chorei de emoção. Mal consegui lhe dizer “muito obrigado!”. Eu sabia que aquela pequena quantia significava muito para ela, faria falta para o seu sustento, mas eu jamais poderia tirar a sua alegria de poder participar da nossa alegria pela libertação de nosso filho daquela enfermidade cruel.


Essa é foi apenas uma das tantas lições que temos aprendido com essas jornadas de amor por Ricardo. Sabemos que aquele que ama, não consegue fica indiferente à dor do outro.


E as orações? A nossa irmandade em Campo Grande, MS, na Igreja Neotestamentária da Vila Planalto, lançou o desafio do “Relógio de Oração” por Ricardo.


Que coisa linda! Ele é como a sabedoria, cujo valor é descrito no livro de Jó com essas palavras: Não se dará por ela ouro fino, nem se pesará prata em troca dela. Nem se pode comprar por ouro fino de Ofir, nem pelo precioso ônix, nem pela safira. Com ela não se pode comparar o ouro nem o cristal; nem se trocará por joia de ouro fino. Não se fará menção de coral, nem de pérolas; porque o valor da sabedoria é melhor que o dos rubis. Não se lhe igualará o topázio da Etiópia, nem se pode avaliar por ouro puro. Jó 28:15-19.


Cada oração feita a Deus em prol de outra pessoa é um gesto de amor. E é isso que Deus deseja. Não é a nossa cura o que Deus deseja. Não é a nossa riqueza material. Não é a nossa vitória sobre qualquer situação e adversidade. O que Deus deseja,meus queridos, é que nós valorizemos e nos preocupemos com o outro, seja ele rico ou pobre. Deus espera que nós amemos de fato, de verdade e não apenas de língua.


É assim que nos ensina a Palavra de Deus:
Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos. Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade. 1 João 3:16-18.


Antes de continuar, preciso dizer que não estou cobrando a ajuda de ninguém. Estou agradecendo a cada um que se prontificou a ajudar e dizendo que, de acordo com o que tenho aprendido da Palavra de Deus, as demonstrações de amor por nós foram legítimas demonstrações de amor a Deus.



Ricardo operou dia 05/01/2016. Recebeu alta no dia 08/01/2016. Sentiu-se mal e voltou a internar-se no domingo, dia 10/01/2016. Fez uma tomografia, constatando um leve sangramento, que talvez fosse o motivo das dores intensas que estava sentindo naquele momento. Ficou mais dois dias internado e voltou para casa outra vez. Desde então, está se recuperando normalmente.


As dores diminuíram e não temos dúvidas de que muito em breve já estaremos vivendo normalmente, sem as angústias desses dias. Quanto ao sangue na cavidade operatória, o médico informou que ele será absorvido normalmente. Disse também que o organismo do Ricardo criou uma espécie de defesa natural contra as sequelas do cavernoma no tronco encefálico. Essa proteção é uma espécie de camada fibrosa entre o tronco. Isso impedirá futuras sequelas naquela região.


Ao concluir essa narrativa, queremos dizer que Ricardo sempre esteve bom e bem cuidado, porque esteve nas mãos daquele que garante a vida, a saúde, a força e o vigor.


Jesus perguntou em seu sermão do monte: Qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura? Mateus 6:27.


É Deus que cuida de nós. Cuida de você, cuida de Ricardo e cuida de nós. De nossa parte, somos apenas instrumentos nas mãos de Deus. Nós cantamos pedindo que Ele nos use da maneira que agradar. Então devemos também deixar que Ele nos use de igual maneira.


E as visitas? Nunca recebemos tantas visitas. Vieram pessoas de todos os lados. Algumas nós conhecíamos, outras não. E por que nos visitavam, se nem sequem tinham convivência conosco? E a resposta é simples.


Deus move as pessoas. Foi Deus quem esteve nos visitando em casa e no hospital.


Há um texto na Bíblia que ilustra isso muito bem. O texto mostra qual é a filosofia que rege o Reino de Deus. O narrador diz que as pessoas perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? Ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? Ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Mateus 25:37-40.


Jesus, o Rei dos reis estava junto com cada pessoa que vinha nos visitar, com cada pessoa que ligava ou escrevia uma mensagem de conforto e de esperança nas redes sociais para nós. Quando líamos cada palavra, nós sentíamos a presença de Jesus, porque sentíamos a sinceridade, a preocupação e o empenho vivo de nos socorrer em nossa necessidade. E quando respondíamos, nós também o fazíamos de todo o coração, na certeza de que a resposta que dávamos era também uma palavra de agradecimento a Deus por seus cuidados por nós.


E assim encerramos, agradecidos a todos os que têm cuidado de nós, desde os familiares mais próximos, até os que foram nossos amigos, mesmo sem nos conhecer. Se for da vontade de Deus, um dia nós também seremos usados por Ele para velar e cuidar de cada um de vocês, com a mesma medida de amor com que vocês nos têm medido, acrescida de nossa gratidão. Muito obrigado a todos!


E para finalizar, nós queremos dizer a vocês que confiem sempre em Deus. Em qualquer situação, seja o que for e seja como for... Que seja sempre feita a vontade do Senhor!



Amém!