domingo, junho 17, 2012

Uma Viagem ao Sul do Brasil


E fomos ao sul do Brasil: Pr. Sebastião dos Santos (da Igreja Neotestamentária de Rondonópolis,MT), meu mano Enivaldo Mendes de Sousa (da Neo de Primavera do Leste, MT) e eu, Izaias Resplandes de Sousa (da Neo de Poxoréu, MT). Todos queríamos ir, mas cada um tinha suas dificuldades para enfrentar a longa viagem. Então o Senhor resolveu todos os nossos problemas e tornou possível a nossa ida. Foram mais de 4 mil quilômetros de ida e volta.
Na semana da saída, a irmã Márcia Lomeu, esposa do Jair Lomeu, da Neo de Rondonópolis, MT, ligou-me perguntando se eu não gostaria de ir a Porto Alegre. Disse-lhe que gostaria, mas que estava sem meios de ir. Havia vendido o meu “fiestinha” e comprado um carro novo, mas este ainda estava sem placa e sem licenciamento. Ela então me disse que se eu quisesse ir, o “Tio Altivo” havia disponibilizado um de seus carros. “Bem”, disse-lhe: “Então, sim! Inclusive, neste final de semana estou sem aulas e vai dar certinho para irmos”.
O Pr. Sebastião dos Santos estava com fortes dores nos rins e não queria ir sozinho. Topou ir comigo.
E como iria somente nós dois, decidi convidar também o meu irmão Enivaldo Mendes, que é motorista profissional, para ir dividindo comigo a direção do veículo.
Também levaria minha filha Mariza Resplandes, mas, por causa de uma disfunção intestinal que ela teve, achei por bem deixá-la em Campo Grande, MS.




Saímos de Primavera do Leste – 230 km de Cuiabá, a Capital do Estado – no dia 6/6/2012 à noite. Passamos por Poxoréu – 250 km a leste de Cuiabá e 40 km de Primavera do Leste – e fomos pernoitar em Rondonópilis – 83 km ao sul de Poxoréu.
Dia 7 de junho levantamos de madrugada. Havíamos deitado às 23 horas. Marquei o despertador para as 2 e meia da madrugada. E mais ou menos às 3 da manhã já estávamos trafegando pela BR-163 em direção a Campo Grande, a Capital Morena de Mato Grosso do Sul, Brasil.
Logo após o raiar do dia tivemos um pneu furado. Trocamos e fomos até Rio Verde, MS. Não conseguimos comprar um estepe. Era feriado e o comércio estava fechado. Um borracheiro, muito gentil, ainda ligou para o dono da loja fechada para ver se ele poderia nos vender o pneu, mas não havia o produto que precisávamos: um pneu 175. Então fomos para São Gabriel do Oeste, MS. Ali também as lojas estavam fechadas, mas um borracheiro nos vendeu um pneu usado e nós fomos em frente: Bandeirantes, Jaraguari e Campo Grande, MS.
Em Campo Grande fomos recebidos pelo irmão Alberto, com quem deixamos Mariza Resplandes. Ali adquirimos dois pneus novos, trocamos pelos velhos, almoçamos e pegamos a estrada, a BR-163: Anhanduí, Nova Alvorada do Sul, Rio Brilhante e Dourados, MS.
Em Dourados, tomamos a BR-376 e passamos pelo Rio Dourados, em Fátima do Sul. Depois chegamos a Naviraí, onde passamos de largo. De novo, pela BR-163, fomos para Iguatemi, Eldorado, Mundo Novo e chegamos em Guaíra, já no Estado do Paraná.
A ponte sobre o Rio Paraná, em Guaira, mede 3.600 metros de extensão. O rio parece o mar. Ali também é a fronteira com o Paraguai, onde fica a cidade de Salto del Guayra.
Atravessando Guaíra, ainda pela BR-163, passamos pela Praça Castelo Branco, conhecida como “Redondo Guaíra” e fomos pernoitar em Cascavel, PR. Antes passamos em frente ao belo portal da cidade de Mercedes, depois por Mal. Cândido Rondon, Quatro Pontes e Toledo (que estava em festa). Chegamos em Cascavel por volta das 11 da noite. Dormimos no Hotel Santa Maria, em frente à Rodoviária da cidade.
No dia 8/6/2012, saímos de Cascavel às 7 e meia da manhã, após um café reforçado. Fomos na direção de Foz do Iguaçu até o trevo de Lindoeste, onde tomamos a PR-182. Então seguimos nessa direção até a cidade de Barracão, na divisa com o Estado de Santa Catarina. No caminho passamos por Cap. Leônidas Marques, atravessamos o Rio Iguaçu (o rio das famosas cataratas), indo até o trevo da PR-182 com a PR-163, bem próximo de Flor da Serra (à frente). Dali seguimos pela PR-163 e fomos costeando o Rio Iguaçu.
Atravessamos o Rio Capanema  e chegamos na cidade de Capanema. Dali seguimos para Planalto, Pérola do Oeste, onde passamos de lado e chegamos em Santo Antônio do Sudoeste e depois, em Barracão.
De Barracão, PR, seguimos para Dionízio Cerqueira (SC), Guarujá do Sul, São José do Cedro, Guaraciaba e São Miguel do Oeste, onde pegamos a BR-282, até o seu trevo com a BR-158, depois da cidade catarinense de Maravilha. Seguimos pela BR-158, em direção a Cunha Porã. Dali fomos até a Ponte sobre o Rio Uruguai. Atravessamos e chegamos ao Estado do Rio Grande do Sul.
A primeira cidade gaúcha da rota foi Irai. Todavia, logo após entrar em território rio-grandense paramos em umas barraquinhas na beira da estrada e compramos “vergamota”, uma espécie de mexerica muito doce. Tiramos fotos à beira do rio.  A ponte sobre o Rio Uruguai mede 1003 metros de extensão. Dali para frente as rodovias se sobrepõem e a BR-158 também recebe o nome de BR-386 e vai margeando o rio por alguns quilômetros. Seguimos por ela até Frederico Westphalen, a “Princesa do Alto Uruguai”, e dali até Porto Alegre, RS.
Seguimos pela BR-386 de Frederico até Seberi, onde paramos para trocar as pastilhas dos freios, bem próximo ao Pórtico da cidade, onde também bati umas fotos do lugar. É uma cidade pequena, mas bem arrumada. De Seberi, pela 386, seguimos em direção a Boa Vista das Missões, Sarandi e Carazinho. Nessa rodovia temos umas quatro ou cinco pontes curvas muito interessantes. É de destacar que nesta rodovia há quatro pedágios entre Carazinho e Porto Alegre, mas a estrada está muito boa e vale a pena pagar pela qualidade. A rodovia BR-386 recebe o nome de Rodovia Presidente Kennedy.
Depois de Carazinho há o entroncamento com a BR-285 que vai para Passo Fundo, mas nós continuamos na Kennedy até Soledade, Marques de Sousa, Lageado/Estrela (o limite entre os Municípios é o Rio Taquari), Tabaí, Nova Santa Rita, Canoas e Porto Alegre.
Á partir de Tabaí a BR-386 foi duplicada até Porto Alegre. Aqui praticamente já estamos dentro da grande Porto Alegre, uma metrópole com quase 4 milhões de habitantes.
Segundo a Wikipédia:
A Região Metropolitana de Porto Alegre, também conhecida como Grande Porto Alegre, reúne 32 municípios do estado do Rio Grande do Sul em intenso processo de conurbação. O termo refere-se à extensão da capital Porto Alegre, formando com seus municípios lindeiros uma mancha urbana contínua. Inclui também o chamado Vale dos Sinos.
Criada pela lei complementar federal nº 14, de 8 de Junho de 1973, sua delimitação foi posteriormente alterada por diferentes instrumentos legais do governo do Rio Grande do Sul, e não coincide exatamente com os critérios de mesorregião e de microrregião utilizados pelo IBGE. Atualmente compreende 10 097,186 km² e, segundo censo do IBGE de 2010, possui 3 979 561 habitantes, sendo a quarta mais populosa do Brasil – superada apenas pelas regiões metropolitantas de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, respectivamente, também possui o quarto maior PIB do Brasil, e atualmente é a 82ª maior aglomeração urbana do mundo.
Esse foi o nosso roteiro de viagem ida e volta, sempre muito abençoados pelo Senhor. Fomos e voltamos em completa segurança.