domingo, outubro 15, 2006

Ao “nosso” professor

Izaias Resplandes


Jean Piaget diz que “ninguém ensina ninguém, que o indivíduo é sujeito de sua própria aprendizagem”. Ele pode estar certo no sentido de que somente aprendemos aquilo que nos interessa ou aquilo que queremos aprender. O resto, pelo magistério do prof. Amaral Fontoura, "decora-se para passar nos exames e se esquece no dia seguinte". Por outro lado, não se pode ignorar que as experiências que realizamos foram selecionadas e orientadas pelos nossos professores. Se estivéssemos sozinhos no processo ensino-aprendizagem, talvez viéssemos a aprender alguma coisa quando atingíssemos cada estádio etário de nossa vida, como pensava Jean-Jacques Rousseau, em seu "Emílio", mas, certamente, a humanidade não teria chegado aonde chegou na escalada do desenvolvimento, se não pudesse ter contado com as parcerias e o empenho daqueles que se dedicaram ao ofício do magistério.
Mal remunerados, culpados pelos fracassos escolares e colocados à margem em relação aos bem sucedidos, o professor é objeto da poesia genérica, como se não tivesse nome, como se não tivesse título, como se não fosse alguém especial. Ele é como o palhaço do circo na área da educação. Aquele tem de fazer sorrir a qualquer preço. Este tem de garantir o sucesso de seu aluno, além de ser sempre gentil, não ter problemas, nem tristezas, nem nada. Isso é um pouquinho da vida do professor.
Mas, para o aluno UNICEN, o professor não é apenas um alguém, alguém. Em uma ou duas palavras, ele é o Iglesias, do ser humano ético e moral acima de tudo; o Thedoro, da dignidade fundamental da pessoa humana; o Derly, condutor da idéia filosófica; o Paulo Henrique, da importância do método; o Reinaldo, das falas fortes do Novo Código Civil; a meiga Ana Cristina, do direito e das questões práticas da vida; a sempre séria e linear Marilei, dos contratos e das questões de família; a Lurdes, amorosa e zelosa com os direitos das crianças e adolescentes; a Adriana, do nosso primeiro contato com o Estado-Juiz, a Fabíola, cortês, simples e sincera no trato conosco; o Fred, dos seminários sobre as questões mais problemáticas dos Estados; o Wagner, da realidade dura e crua e dos problemas concretos enfrentados pelo Juiz; o César, da objetividade no trato da matéria penal; a Eloína, aluna exemplo e sempre vencedora, mostrando que sempre é tempo de aprender; o Jessé, das questões muito importantes do processo penal, que conquistou a nossa alma; a Danira, um exemplo de humanidade; a Keila, de 25 horas no ar e dos mil e um arquivos jurídicos pesquisados, uma verdadeira madrinha na nossa vida diária; o Di Pieri, compenetrado e certinho na orientação do processo, deixando claro que o detalhe faz a diferença; o Rodrigo, de fala mansa e calma que nos fez ver o Direito Penal com outros olhos; a Neusa, da linguagem corretamente necessária; e, a Fabiane, da responsabilidade com as futuras gerações.
É evidente que esses professores são citados apenas para termos alguns exemplos concretos, visto que tantos outros nomes poderão ser incorporados a esse rol não taxativo, mas meramente exemplificativo, pelos alunos dos diversos cursos e turmas.
É de destacar ainda, que essas duas ou três palavras que acabamos de dizer sobre cada um, não passam de pretextos para um princípio de conversa, para que possamos afinal dizer que você, professor, é alguém real para nós, com um nome e personalidade; e ainda, que você é o nosso professor e o seu exemplo tem sido a lição mais importante que incorporamos na nossa vida. Poderemos até não ter aprendido muitas coisas ao término de nossa jornada acadêmica (Sócrates dizia não saber nada de nada), mas, teorias à parte, sempre iremos lembrar de vocês pelos pequenos detalhes como esses, os quais sempre haverão de fazer a diferença em qualquer relação. Mais do que suas palavras, o seu exemplo é que vai ficar gravado para sempre em nossas mentes e corações.
Sabemos que a vida de professor não é das mais compensadoras e que você não ficará mais rico ou mais famoso trilhando os caminhos da docência. Mesmo assim, gostaríamos de dizer, junto com todos os alunos da UNICEN, que nossos filhos e nossos clientes saberão quem foi cada um de vocês como nosso professor e que somos filhos do seu conhecimento do mundo.
Por último, queremos destacar que por onde andarmos, você estará conosco semeando o conhecimento que possibilita uma melhor compreensão da vida.
Parabéns pelo dia dos professores. Parabéns pelo 15 de outubro de 2006.

Nenhum comentário: