segunda-feira, agosto 21, 2006

Literatura Poxorense















Parte da Comunidade Upenina. Em pé, da esquerda para a direita: Izaias Resplandes, Kautuzum Coutinho, João de Sousa, Joaquim Moreira, Luís Carlos Ferreira e Jurandir Xavier. Sentados: Zenaide Farias, Josélia Neves e Gaudêncio Amorim.




Literatura Poxorense

Izaias Resplandes[i]

Poxoréu é turismo. As vozes são uníssonas. Tem um patrimônio turístico invejável, mas, infelizmente, desconhecido desse mundão de Deus. Após tantas falas, eis que neste limiar de século surge uma luz no meio do túnel, sob a liderança do americano Kenneth Paul Raeder (10108 Deckhand Drive Burke, Virginia, USA), o Paulo Americano, um grande amigo do povo poxoreano, que bebeu das águas do Areia "lindo rio de águas cristalinas", contemplou a lua cheia nascendo atrás do Morro da Mesa, ouviu os "causos" dos garimpeiros nos monchões e nas grupiaras, e que, enfim, tomou e gostou muito do café forte e aromático servido na "terrinha que meus mininos pôs nos palcos como artistas". O movimento tem sido um trabalho de formiguinha, ajuntando de todos os cantos do país e do exterior, aqueles que nasceram, conheceram ou viveram em Poxoréu e que sabem de seu potencial turístico e desejam ver todo seu inventário compartilhado com o mundo globalizado, de forma a proporcionar o desenvolvimento econômico da região. O esforço é para a construção cooperativa de um grande sítio turístico na internet, com informação, foto, mapas de orientação, roteiros, eventos, atrações etc. Sem querer prognosticar, é quase certo que depois de navegar pelas páginas do novo sítio virtual, ninguém que gosta mesmo de participar de turismo-aventura vai deixar de estar mais perto de Poxoréu pelo menos uma vez por ano. Vão levar o CD do poxorense AURÉLIO MIRANDA e vão cantar com ele MINHA DOCE POXORÉU:

"Anseio chegar as férias, para rever a minha terra boa,
escalar o Morro da Mesa e aos domingos banhar na Lagoa,
rever florestas, colinas e montes,
riachos e fontes e rios ligeiros,
brincar no cascalho que marca o passado,
no fértil trabalho de seus garimpeiros".

Poxoréu é natureza. A cidade é cercada de montes de grande beleza, com destaque para o "Morro da Mesa" que foi, inclusive, o responsável pelo primeiro nome da cidade - Influência do Morro da Mesa, dado pelos primeiros garimpeiros que ali chegaram em 1926, conforme noticia o historiador JURANDIR DA CRUZ XAVIER, em sua obra POXORÉO E O GARÇAS, Edições Calendário do Sol, Cuiabá, MT, 1999, pp. 92-94. Segundo conta, naquele tempo travava-se uma guerrilha na região do Garças entre as tropas governamentais lideradas por Carvalinho e os garimpeiros liderados por Morbeck. Havia a necessidade de homens de coragem para disputar a peleja. Os garimpeiros de todos as lavras estavam sendo "convidados" para engrossar a resistência. Por causa disso, muitos deles, não querendo se envolver nos conflitos, debandaram para outras áreas. Assim aconteceu com João Dourado, Joaquim Penteado, Albertino Peito Roxo, Doroteu "Maroto" Sodré e Barbosinha, os quais se aventuraram na direção do Morro da Mesa, onde acamparam e fizeram as prospecções que acabaram chegando ao conhecimento de outros e outros, atraindo-os também para a região. Assim nasceu Poxoréu, cuja epopéia é narrada de forma romanesca e muito gostosa de ler, pelo upenino Jurandir Xavier. É um bom petisco para aqueles que se deliciarem aventurar-se pelas terras poxoreanas, com muitos cantos e recantos ainda naturais, encravados na altura do paralelo 16, ma Microrregião Tesouro, na Mesoregião Sudeste Mato-grossense, no centro-oeste brasileiro, a 250 km da Capital Cuiabá. A edição foi encomendada pelo autor e pode ser solicitada ao mesmo (Av. Brasil esquina com Av. Tancredo Neves, Centro, CEP 78.800-000, Poxoréu, MT, Brasil).

Poxoréu é história. Uma saga de heróis. Homens simples, rudes, de pouca instrução, ambiciosos, sedentos da fortuna fácil, aventureiros que deixaram seus familiares, sua terra natal, seu povo e partiram em busca do eldorado poxoreano. Levas e levas foram se aglomerando nas proximidades do Morro da Mesa. Mas não apenas os garimpeiros avançaram as fronteiras conhecidas. Também os fazendeiros e os colonos. O povoamento levou à organização político-administrativa da terra. Surgiu o Distrito de Paz de Poxoréu (1932, vinculado à Capital do Estado, Cuiabá). Seguiu-se a emancipação assinada pelo interventor "Cel. Júlio Müller" (1938). E no nóvel Município os Distritos. No início, eram eles Coronel Ponce, Ponte de Pedra, Rondonópolis, todos desmembrados de Cuiabá. As novas divisões do Estado foram mudando a estrutura. Atualmente Poxoréu tem os Distritos de Alto Coité (criado em 1948), Paraíso do Leste (criado em 1953) e Jarudore (criado em 1958). O historiador upenino Gaudêncio Filho Rosa de Amorim escreveu uma brilhante monografia acerca do surgimento e evolução histórica desses Distritos. É uma abordagem acadêmica de inegável valor literário, escrita em um estilo simples, mas de qualidade. Ao ler o trabalho, o leitor sentirá como se estivesse ao lado dos pioneiros biografados pelo autor no curso de suas páginas. O livro, intitulado "LINHAS HISTÓRICAS DE POXORÉO: um olhar sobre o nascimento dos Distritos numa contribuição às escolas e à sociedade" foi editado pela Editora DEFANTI, Cuiabá, em 2001. São 172 páginas ilustradas. A capa é um trabalho artístico de Renato Zanettin, de Vedelago, Itália. Antes de aventurar-se pelos montes poxoreanos, por suas serras e rios, vale a pena conhecer um pouco da histórica evolução de seus domínios. A obra pode ser solicitada ao autor (Av. Brasília, 809, Jardim das Américas, CEP 78.800-000, Poxoréu, MT, Brasil).

Poxoréu é poesia. Gonçalves Dias cantou o Brasil em sua canção do exílio: A "Marrom" Alcione destaca em sua música: "todos cantam sua terra, também vou cantar a minha". O escritor baiano Jorge Amado descreve a Bahia de tal forma, que nem se precisaria ir lá para conhecê-la. Assim os poetas poxoreanos vêm também cantando e decantando em verso e em prosa as belezas naturais de Poxoréu, como "a poxorense menina de morena meiga cor", os garimpeiros, os garimpos, as ruas, os rios, as serras, as cachoeiras. Nada passa despercebido aos olhares atentos dos notáveis poetas upeninos, como são conhecidos os membros da UPE - União Poxorense de Escritores. A terra da aventura é descortinada pela sua verve poética. Assim ZENAIDE FARIAS PINTO, com seu RAIOS MISTURADOS. Edição da autora, em Poxoréu, 2002.; LUIS CARLOS FERREIRA e seu PEGADAS DE LONGE: para ler de A a Z. Editora ARTEPRES, Dois Vizinhos, PR. Edição do autor, 2005. Luís é um escritor de talento incomparável e vale a pena ler a sua obra; JOAQUIM MOREIRA, "o príncipe dos poetas poxorenses" que escreveu NO MEIO DAS PEDRAS HÁ DIAMANTES, lançado este ano de 2006 pela Editora Defanti, Cuiabá, MT; e, por último, o destaque dessa seleção poética é para a ANTOLOGIA POÉTICA, Cuiabá: Gráfica Genus, 2004, de autoria de doze upeninos, sob a coordenação de Gaudêncio Amorim. Além desses, a poesia poxoreana tem outros expoentes como JOILSON RIBEIRO DE SOUSA que compôs "SOLTE-ME, VOU SUBIR" (esgotado); NIDES DE FREITAS, que escreveu SANDICE ME DISSE pela Editora Trinta e 3, Vitória, ES (nides@bol.com.br), WILSON GARCIA DE ALENCAR, autor de GRÃOS DE AREIA (esgotado) e que recentemente publicou GOTÍCULAS DE PORTUGUÊS, pela Editora Defanti, Cuiabá, 2004 (wgarcia@pop.com.br), KAUTUZUM ARAÚJO COUTINHO, que escreveu junto com GAUDÊNCIO AMORIM e IZAIAS RESPLANDES em 1987, SAUDADES E MELANCOLIAS (esgotado). Todos os livros dos membros da UPE podem ser solicitados à LIVRARIA GELMA. na Rua Mato Grosso esquina com Rua Rosa Bororo, Centro, CEP 78.800-000, Poxoréu, MT).

Poxoréu é cultura. Desde 31 de março de 1988, o Município conta com uma entidade atuante "em defesa da arte e da cultura", através da publicação da revista "A UPENINA" (Nº 01, em 1989; nº 02 em 1998), do jornal "O UPENINO" (Nº 15: março de 2006. O nº 16 está a caminho ainda para este ano), do programa radiofônico MOMENTO DE ARTE E CULTURA que vai ao ar, às 9 horas da manhã pela Rádio Sulmatogrossense (iniciado na Rádio Cultura de Poxoréo em 1988). Um dos picos culturais da entidade é o RECITAL DE POESIAS que acontece anualmente no dia 20 de outubro, por ocasião dos festejos do aniversário da cidade de Poxoréu, MT e que conta com a participação dos jovens e adolescentes das escolas locais. A UPE é uma das grandes riquezas "deste tão lindo lugar" chamado Poxoréu. Ela zela com carinho pela memória e cultura deste povo dos monchões e grupiaras poxorenses.

Publicado no SOMATÓRIO DE IDÉIAS (http://www.poxoreu.cjb.net/) em 20/08/2006. Reprodução autorizada, desde que citada a fonte e a autoria.

[i] Izaias Resplandes de Sousa, escritor mato-grossense, membro-fundador da UPE é pedagogo e matemático pela UFMT, Gerente de Cidades pela FAAP/SP e membro do IMGC (Instituto Mato-grossense de Gerentes de Cidade), Especialista em Estatística pela UFLA/MG e Acadêmico de Direito pela UNICEN, de Primavera do Leste, MT. E-mail: respland@uol.com.br

Nenhum comentário: