quinta-feira, fevereiro 10, 2011

A viagem

Antiga Fábrica de Tecidos (1889)










Antonio Resplandes


Sai de Barra do Corda
Minha cidade natal
Rompendo matas e lamas
Doente passando mal
Em procura de Caxias
Onde cheguei afinal.
Sessenta léguas venci
Entre lamas e matagal
O dinheiro pouco, acabou
Aumentou o passa mal
Afinal achei emprego
Aqui na Industrial.
Quando cheguei em Caxias
Não restava mais dinheiro
Sofrendo sem ter alívio
A ponto de desespero
Botei minha confiança
Em nosso deus verdadeiro.
Saí para Estação
Aonde se compra passagem
Com destino a Codó
Apreciando as estradas
Cobertas de Mororó
Para quem viaja de pé
Nunca vi coisa melhor.

Notas de Osmar Resplandes Ferreira (Pindaré Mirim, 04/02/2011): Em 1922 o jovem Antonio Resplandes emigrou de Barra do Corda para a cidade metrópole do Maranhão, onde existia uma fábrica de Tecidos denominada “Caxias do Maranhão”, onde pretendia crescer e desenvolver-se, sonho de todo jovem.
Não havia carro e nem estrada.
A viagem foi feita a pé, pelas
veredas ou trilhas. Chegando em Caxias, arranchou-se (hospedou-se) na casa do senhor José da Costa Quintanilha.
Voltando de Caxias, existia um trem que fazia linha de Teresina, Capital do Piauí, a São Luis, Capital do Maranhão.
Antonio Resplandes, pegou o trem em Caxias, até a cidade de Codó-MA.
Posteriormente seguuiu a pé para sua cidade natal, Barra do Corda. E escreveu esses versos.

2 comentários:

Anônimo disse...

ENALTECIMENTO


I
A todos Resplandes do Brasil,
Também do exterior, quero falar
De um homem de nossa família,
De grande importância e valor.

II
Vive no Mato Grosso,
e com a nossa origem se preocupou, que sejamos da Espanha, França, Ceará Brasil ou Exterior.

III
O nome dele é Izaias Resplandes de Sousa,
que um Blog colocou,
para que cada um de nós Resplandes,
nos interligarmos com idéias, parecer.

IV
O mesmo, mora em Poxoréu Mato Grosso,
onde é Advogado, Pedagogo, Professor,
acrescento dizendo o Mesmo é Historiador.

V
Preocupado com a nossa história, origem e valorizador
Descobriu que no Brasil a nossa origem
No Ceará provavelmente começou (Sobral Serra Grande) Piauí (Barras).

VI

No Maranhão, através de Manoel Resplandes de Araújo,
e sua esposa Bernardina, chegou, com seus dez filhos:
João Resplandes, Manoel Resplandes Filho, Gregório Resplandes, Adelino Resplandes, Beato Resplandes, Bento Resplandes, Alexandre Resplandes, Suzana Resplandes e Amélia Resplandes.
O outro nos conseguimos o nome e seu irmão, Firmo Resplandes de Araújo, Jenipapo dos Resplandes, fundou, dando origem a todos Resplandes, que o restante do Brasil habitou.

VII
A história nos mostra que
A família Resplandes, é de grande valor,
Jenipapo dos Resplandes, hoje é cidade, com o nome Fernando Falcão,
Esta parte da Federação foram os Resplandes que o edificou.

VIII
Sou Osmar Resplandes Ferreira,
Tataraneto do herói Manoel Resplandes de Araújo,
Meu tataravô, não importa o grau de parentesco,
sou sangue deste fundador.

IX
Todos nós que somos Resplandes,
Do Brasil ou de onde for,
Devemos contactarmos com Izaias Resplandes,
nosso Parente e historiador.



Pindaré Mirim, 14 de fevereiro de 2011.
Osmar Resplandes Ferreira.

darlene disse...

Darlene Resplandes
Resgatando Raízes
I
Sou tataraneta de Manuel Resplandes,
Que foi o desbravador.
Da unidade de Federação Fernando Falcão,
Que fundou com muito amor.
II
Ao chegar ás margens do rio alpercatas,
Manoel encontrou terra fértil,
Abrigou o seu rebanho,
E a agricultura cresceu depressa.
III
Sou professora de geografia
De ser Resplandes tenho orgulho
Pois tudo que resplandece
Permanece no futuro.
IV
O relevo de Jenipapo
É impressionante olhar
Escalando o morro da mesa
Vi a beleza divina contemplar.
V
Sou bisneta de Major Ladislau
Que ao declarar sua riqueza
Perante ao desembargador
Sua patente não negou.
VI
Para adquirir a patente de Major,
Juntou-se ao capitão Ferreira
Morador lá do Leandro
Amigo e companheiro.
VII
Ainda existe em Fernando Falcão
A baixa do Major
Que mantém a tradição
De Resplandes descendente
Vivendo a sétima geração.
VIII
Sou Darlene Resplandes
Filha de Maricota
Bisneta de Major Ladislau
Não nasci em Jenipapo
De Mirador sou natural.
IX
Sempre na minha infância
As férias eu ia passar
Na casa da minha tia
Com minhas primas brincar.
X
Pretendo escrever um livro
Que resgate minhas raízes
Para próxima geração
Apreciar e sentir-se feliz.
XI
Ao Izaias Resplandes
Deixo minha mensagem
Que em Barra do Corda
Tem Resplandes de coragem.



Barra do Corda, 30 de junho de 2011
Darlene Resplandes