terça-feira, dezembro 14, 2010

Minhas memórias de Paulo Campos

Novembro de 1982. Eis que chegam em Poxoréu uma comitiva de embaixadores neotestamentários para uma visita à Igreja de Poxoréu. Irmão Manoel Francisco Paulo (presbítero da Neo de Rondonópolis) e sua esposa Maria das Dores Paulo, Victor Paulo Campos e seu pai o Irmão Paulo Campos (de Corumbá, MS), Nanao Yamamoto e Julio Alt Viveiros (de Campo Grande, MS) e o Irmão Arcelino Paiva (Presbítero da Neotestamentária de Corumbá, MS). Eram sete companheiros. Para nós, de Poxoréu, foi como se tivesse vindo toda a Igreja Neotestamentária do mundo.

Já fazia algum tempo que eu escrevia cartas para irmão Arcelino, que gentilmente passou a nos enviar exemplares do Noticiário Evangélico. Sabíamos algumas notícias dos irmãos, mas não conhecíamos ninguém. De vez em quando chegava uma carta de irmão Arcelino, que eu lia na Igreja. Era motivo de grande alegria para nós, saber notícias dos irmãos, mesmo que não conhecêssemos ninguém. Eram nossos irmãos de fé. Fazíamos parte da mesma Família de Deus e tínhamos orgulho em dizer isso quando se pediam informações sobre nossa Igreja.

Os irmãos Altivo Melo dos Santos (Diácono da Neo de Rondonópolis, MT),
o Pr. Paulo Campos (da Neo Frei Mariano, de Corumbá, MS), Analine Viveiros e o Pr. Júlio Alt Viveiros (da Neo Planalto, de Campo Grande, MS), durante o Encontro da Aconchego, em Campo Grande, MS


Ele eles chegaram. Vieira na paz e na mansidão do Senhor. Nós ainda nos reuníamos na Igrejinha de Palha, no bairro das Mangueiras, na Chácara de Irmão Erasmo. Como foi importante para nós aquela visita. Ela prenunciava o contato dos neotestamentários de Poxoréu, com os neotestamentários do mundo. Porque a verdade é que, tirando minha mãe Maria Resplandes de Sousa e seu Erasmo Mendes de Moraes, que já haviam conhecido alguns irmãos de Campo Grande, quando moravam em Rondonópolis, os demais irmãos de Poxoréu não conheciam outros crentes neotestamentários além dos irmãos de Rondonópolis, embora orássemos pelos irmãos de Cuiabá, de Araçatuba, de Campo Grande e de Corumbá e de outros países. A visita dos irmãos nos mostrou que realmente havia outros neotestamentários. Mesmo que não duvidássemos disso, foi muito bom ter uma prova disso. Como foi bom. Eu gostei demais mesmo.

Os irmãos Eliseu Campos e Pr. Paulo Campos (Corumbá, MS),
Gilson B. Jorge (Sorriso, MT) e Pr. Agustávio (Nova Olímpia, MT)
no Encontro da Aconchego em Campo Grande, MS.
Essa foi a primeira vez que vi, abracei e falei com o amado irmão Paulo Campos. Depois eu fui em Corumbá. Participei de um Retiro no Acampamento da Estação Ferroviária Antônio Maria Coelho. Me recordo que um dos preletores foi o saudoso missionário Martin van Driel. Ali eu revi o irmão Paulo Campos e no dia da volta estive em sua residência, em Corumbá. Irmão Paulo, sempre muito alegre nos deu muita atenção em sua casa.

Depois, por ocasião do III Encontro de Cooperadores Neotestamentários eu estive novamente em Corumbá e novamente tive o prazer de abraçar o irmão Paulo. De lá para cá, nunca mais voltei em sua cidade. Nos encontramos no Encontro de Cooperadores de Araçatuba, SP e nos Encontros de Poxoréu. Nosso último encontro foi na Chácara Aconchego, em Campo Grande, em um Encontro de Lideranças organizado pelo missionário Isaías da Silva Almeida. Como gostei desse encontro.

O diácono Eliseu Campos e seu pai o Pr. Paulo Campos,
em Campo Grande, MS, na Estância Aconchego.

Naquela noite nós ficamos até tarde cantando hinos. Eu gravei belas imagens daquela noite feliz no aconchego. Não pude estar em Corumbá, no Encontro de Cooperadores. Foi uma pena, porque também gostaria de ter dado aquele beijo e aquele abraço em irmão Paulo Campos. Mas a nossa vida é assim mesmo. Nem sempre fazemos o que queremos. Não somos donos do nosso destino. É Deus o nosso Senhor e Ele sabe sempre o que é melhor para nós.

Ele me deixou as boas lembranças de irmão Paulo. Elas me acompanharão pelos meus dias de peregrino. Elas me servirão de estímulo e de exemplo sobre como viver feliz na sombra do Onipotente.

Ah, queridos irmãos! Eu nunca vou esquecer do rompante de irmão Paulo cantando as doces melodias de nossos Hinos e Cânticos. Peito para frente, cabeça erguida e uma voz sonora... Esse foi o irmão Paulo que me inspirou. Gosto de cantar nesse ritmo, nesse embalo, com voz forte...

Irmão Júlio, de Porto Alegre, com irmão Paulo,
em Campo Grande, MS, no Encontro da Estância
Aconchego.

Exemplos bons são para serem seguidos. Paulo Campos foi um grande exemplo. Ele é o pai, o irmão, o avô, o tio, o bisavô de muitas gerações de neotestamentários. Sua honrosa memória, com certeza será lembrada em muitos cantos e recantos desse planeta.

Até breve, querido Paulo Campos. Que Deus nos dê força para completarmos a carreira e guardar a fé como o senhor o fez. Então também iremos para a Glória de Deus e aí nos encontraremos e cantaremos muitos hinos em louvor e em honra ao Nosso Senhor. Deus seja glorificado por ter abençoado a sua vida e a de sua família e por tê-lo colocado em nossa vida naquele distante 1982, naquela Igrejinha de Palha em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil.

3 comentários:

Anônimo disse...

Preciso escrever sem acentos pesso desculpas.

Paulo Campos ficara sempre uma parte grande de minha vida, desde o seu casamento com Stella ate aquelas manha em que a familia Manley saiu do aereoporto de Corumba em 1954. Mas ele ficava em nossas lembrancas e oracoes, com amor. Lembro quando ele ficou diacano, como trabalhava para converter a familia e amigos e muitos outros. Lembro da relogoaria, das filhas(que joia eram para ele e Stella) Lembro de tempos tristes e de felicidades, e sempre aquele sorriso grande e o amor que tinha para a familia e a familia de Deus.
Sinto muito triste no sofrimento da familia de Paulo: Stella, as filhas e filhos e os netos e bisnetos. A eles, eu e meus irmaos mandam pezames e lembrancas.
Tambem aos membros da Igreja na Rua Frei Mariano,em Corumba. Lembramos eles em as oracoes. Abracos, Grace Manley Clippingdale

dgclippingdale@shaw.ca

Liduina disse...

Parabéns pelas memorias,gostaria muito de manter contato com as filhas de Rubens e Audeliza.
Eu sou Liduina, prima de Audeliza e filha de Aurilia.
Um abraço lembrança a todos.

Liduina disse...

Meu e-mail é liduoguimaraes@gmail.com